Casa Branca diz que presidente Biden está preocupado com nova lei eleitoral da Geórgia

0
37

Eleitores entram em centro de votação em Dawnville, Georgia, na terça-feira (5) — Foto: Matt Hamilton/Chattanooga Times Free Press via AP

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, “está preocupado” com uma série de novas restrições eleitorais aprovadas no estado da Geórgia, disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, nesta sexta-feira (26).

O presidente teme que a lei sancionada na véspera pelo governador Brian Kemp dificulte o acesso aos votos. As novas normas impedem pessoas de levarem água aos eleitores nas filas, reduz os horários de funcionamento de zonas eleitorais e limita o uso de votos pelo correio.

- Anúncio Patrocinado -

“Não existe nada mais precioso do que o direito de votar e se pronunciar”, disse Psaki em entrevista coletiva.

“Não deveria ser mais difícil, deveria ser mais fácil votar. Não deveríamos adotar limitações. As pessoas deveriam poder votar em casa. Poder usar votos pelo correio. Uma série de restrições têm que ser desfeitas e não adotadas”, disse a porta-voz.

Manifestante protesta contra mudança na legislação eleitoral do estado americano da Geórgia nesta quinta-feira (25): ‘Como vocês dormem à noite?’ — Foto: Alyssa Pointer/Atlanta Journal-Constitution via AP

Ela também expressou o apoio do governo aos democratas no Congresso americano que tentam aprovar uma legislação federal sobre o direito ao voto e uma reforma eleitoral – que já se enfrenta uma oposição republicana forte.

A nova lei da Geórgia impõe novos limites, como exigências de identificação mais rigorosas, a restrição do número de urnas, a concessão de poder a parlamentares para que assumam eleições municipais e o encurtamento do período de votação antecipada em todas as eleições de dois turnos.

Oferecer alimento e água a eleitores que aguardam na fila para votar agora será considerado uma contravenção.

Kemp disse que não se desculpa por “dar mais um passo para tornar nossas eleições justas e seguras”, mas oponentes descrevem a lei como uma das tentativas mais prejudiciais vistas no país para limitar o acesso às urnas e concebida para reduzir a influência de eleitores negros.

Funcionários da autoridade eleitoral do condado de Cobb, na Geórgia, fazem auditoria dos votos na segunda-feira (16) para a recontagem das eleições presidenciais dos EUA — Foto: Mike Stewart/AP Photo

Uma parlamentar negra da Geórgia, Park Cannon, foi presa e solta depois de bater na porta do escritório de Kemp enquanto ele assinava a lei.

Psaki disse que qualquer um que assistisse ao vídeo da prisão ficaria “profundamente preocupado” com as ações das forças de segurança.

Poucos meses atrás, democratas comemoraram vitórias históricas na eleição presidencial e em duas campanhas ao Senado na Geórgia que ajudaram a garantir o controle do partido na Casa Branca e no Senado dos EUA.

Outras legislaturas estaduais comandadas por republicanos estão pleiteando restrições ao voto em estados essenciais, como Flórida e Arizona, desde que o ex-presidente republicano Donald Trump atribuiu sua derrota a Biden a alegações – sem provas – de fraude eleitoral.

VÍDEOS mais vistos do G1

- Anúncio Patrocinado -